Cinema em Casa

The Lobster

the-lobster

Olá! Já comentamos aqui que estamos frenéticos na maratona de filmes do Oscar 2017 e que tentamos assistir ao máximo de obras possíveis, que perpassem por diferentes categorias (dessa forma, podemos palpitar com menos ignorância no dia da premiação).

Bem, até o momento os filmes indicados têm sido bastantes previsíveis como, por exemplo, o favorito La La Land que, apesar de esteticamente impecável e das centenas de referências aos grandes musicais clássicos, consideramos apenas um bom filme e não isso tudo que estão dizendo sobre ele – mas é nosso gosto, enfim…

Mas algumas obras conseguiram sim nos surpreender positivamente. Entre elas está o filme que comento hoje, o indicado a Melhor Roteiro Original: The Lobster (O Lagosta).

Basicamente o filme traz uma ideia de futuro distópico, no qual as regras da sociedade exigem que você tenha um parceiro. Caso contrário, você é enviado para um hotel para lá de especial no qual você tem a oportunidade de achar um parceiro no prazo de 45 dias e, se você NÃO conseguir, é transformado em algum animal (de sua escolha) e libertado/condenado a viver solto na floresta.

Sim, é MUITO BIZARRO. Quando começa a assistir The Lobster, você não entende muita coisa e ri das piadas secas e dos diálogos incrivelmente sarcásticos nos primeiros 10min. Mas a partir daí, você “pega o ritmo” da narrativa e começa a ver sentido na viagem. É aí que você percebe o brilhantismo da dupla de roteiristas Yorgos Lanthimos e Efthymis Filippou: eles conseguem criar uma lógica nesse universo desenvolvido de forma louca.

Acompanhamos a jornada de David, interpretado por Colin Farrell, qua acaba de se separar e é enviado ao fatídico hotel. Apesar de não gostar muito de Farrell, preciso admitir que ele estava incrível – fisicamente, está barrigudo e com expressões sempre tristes e desamparadas; profissionalmente, atua de forma excepcional. David tenta se adequar às regras do hotel na primeira parte, mas não se adapta e, por receio de se torna um animal (uma lagosta, título do filme e ser escolhido por ele), foge do hotel para a floresta. Nesse novo ambiente, as regras mudam e, mais uma vez David é tentado a quebrá-las.

No filme temos também Rachel Weisz (que começa como narradora da história e, em determinado momento, se torna personagem), Léa Seydoux ( bond girl de 007 Contra Spectre) e John C. Reilly.

Na categoria de Melhor Roteiro Original, só não assistimos ainda ao filme 20th Century Women, mas, se pudéssemos votar, com certeza votaríamos em The Lobster, pois é ácido, é divertido, é intenso, é uma crítica à nossa vida em sociedade e ao que as pessoas esperam de nós, é uma mistura bizarra e impressionante. MASSSSS, como entre os concorrentes está La La Land, é provável que ele leve este Oscar aqui também… Fazer o quê, né!?

Espero que tenha gostado do texto e, caso tenha assistido ao filme, comente conosco o que achou, se concorda com a gente e/ou qual a sua visão.

the-lobster-breakfastthe-lobster-menthe-lobster-heartless-womanthe-lobster-rachel-colin-couple

 

Imagens: Google Images

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s